domingo, 4 de janeiro de 2015

Cheio de Vazios


O mundo é carente de afeto e regrado a um individualismo exacerbado. 
O amor virou peça de museu, e o carinho entrou para lista de extinção.
A sociedade influencia as famílias a perderem sua essência; 
começamos a ver normalidade naquilo que dantes era chocante.

Será que colheremos os frutos de tamanha alucinação?
Nessa falta de Amor, floresce a hipocrisia narcisista.  

A vida agora é incoerente, onde se intensifica o cultivo ao ciúmes,
 agravado pela leviandade execrada e induzida pela mídia,
onde a traição passa a ser natural e a felicidade conjugal,
é resumida ao gozo de suas próprias carências pessoais.
Essa necessidade individualista, que não pensa mais em se doar, apenas em cobrar/exigir.
Agora cultiva mágoas e planta discórdias em nome da satisfação de suas próprias inseguranças.
Amar passa então a ser um comum ato de gostar momentâneo; 
onde seu alicerce está na provisoriedade de uma satisfação pessoal egoísta.

Vazio domina os corações preocupados com suas superficialidades jamais supridas, e muitas vezes denegridas por um alucinógeno que de forma fugaz dá sentido aos devaneios decrépitos de seu inconsciente. 

Por que será que nunca se viu um egoísmo que  não se queixe de ingratidão?

4 comentários:

Aline Nunes disse...

Infelizmente é a nossa realidade. :S
Lindo o poema.

Anônimo disse...

Poema lindo ! Pena ter que viver em um mundo cheio de ódio , uma sociedade que não sabe o que é o verdadeiro amor !

Alma Pensante disse...

Obrigado pelos comentários S2

simone souto contratos disse...

O amor esta entrando em extinção.