sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

LABIRINTO ESPELHADO DE NOSSOS DESEJOS




Cegueira sentimental, infidelidades ao nosso querer
Um desconhecido feito por imaginações racionais
O acaso transformador, que leva pra longe todo plano perspicaz

Onde estas? traindo o que antes era desejado?

ínfima sutileza enganadora, cultivada sem pudor.
Amar é fugaz à razão, um desconhecido medo de errar.

Perdidos em meio ao acaso sonhado por uma coletividade
SOMOS TÃO CEGOS AO NOSSOS PRÓPRIOS DESEJOS.

Uma verdadeira IMPERMANÊNCIA...



Um comentário:

Alma Pensante disse...

os escritos. é reflexivo a um estado vazio de traição de nossos proprios desejos, onde cultivamos o engano sem medida, causa do fato de nunca saberemos o que é o amor pois o trocamos pelo medo de errar e de se arriscar, com isso ficamos perdidos em meio ao acaso, que não possui regra, mas existe.. tornando assim cegos ao que desejamos.. ou seja impermanentes